terça-feira, 28 de julho de 2009

Pimenta

Enquanto isso numa coletiva de imprensa em São Caetano... Amanda Perobelli, fotógrafa do jornal ABCD Maior, mostra e comprova por A+B+C+D: Pimenta na orelha do outros é refresco. Capai Memo.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

AME

Na inauguração do Ambulatório Médico de Especialidades sobrou xeretinhas e faltou espaço pro cinega da Record. AME-o ou deixe-o. Capai Memo.

Disfarce

Ela se disfarçou de aluna do ensino médio para poder fotografar o Governador Serra de um ângulo inédito! Veja se você descobre quem! Capai Memo.

Oficiais

Esses são os fotógrafos oficiais da Prefeitura de São José e do Palácio do Governo de São Paulo.
Adenir Britto e Nelson Almeida.
Nelson Almeida é aquele mesmo que nos trouxe muitas fotos fantásticas de futebol na capa e nas páginas do diário esportivo Lance. Agora empresta seu talento ao Palácio dos Bandeirantes.
Adenir e o Nelsão trabalharam muito tempo juntos aqui no Vale do Paraíba, e tiveram esse encontro durante a visita do Governador Serra em São José. Na ocasião, lembraram que somando a experiência dos dois dá quase 100 anos. Capai Memo.

Fernando Alves usa a cabeça

Esse é o internacional Fernando Alves, da Vanguarda, usando a cabeça para fazer um flagrante na PF.
foto: Capai Memo

Na memória!!!


Gravar na memória, a "foto da foto da foto", para poder dizer... eu estive lá. rsrsrrs....

Data: 25/07/2009
Local:Basílica de Aparecida
Fotógrafo: Rique Fróes / Câmera & Luz

Por dentro de tudo!


Nada escapa destas lentes. rsrsr... nem mesmo as expressões faciais de nosso fotografeiro Capucho. Capai memo que ele ia ficar de fora. rsrsrs....

Imagens produzidas através de um vídeo hdv, pelo cinegrafeiro Anderson Cruz.

sexta-feira, 24 de julho de 2009

A casca já foi!!!


O ditado popular diz, "descascando o abacaxi" ou " engolir o abacaxi com casca e tudo"? rsrsrs... O que importa é que o fotografeiro André, e o prefeito de jacarei Hamilton, fizeram uma pausa para degustar a fruta durante a Fapija

photo nilton cardin

Tô fora!

Nosso amigo fotografeiro nem foi louco de entrar na arena, também pudera, olhem o tamanho do bicho.

Foto: Nilton Cardin

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Coitadinha dela!

Calma Nilton, só estão tirando leite da vaquinha...ninguém tá machucando o bichinho!

Foto: André Tomino

Só mais um pouquinho tio!

Poxa Nilton, deixa os caras dormirem tranquilos...quem mandou chegar cedo demais, fica sem nada pra fazer e acaba pertubando os outros.
O horário comercial é a partir das 8hs, falta só mais 5 minutinhos.

Foto: Nilton Cardim

Anúncios.

Como foi abaixo os outdoors em SP, porque não apelar pra campanha publicitária nos orelhões da cidade!
Roberta, Fernanda, Coroa Ruiva, Macha, Beatriz, Arlete e CIA.
Precisou, tá na mão!

Foto: Nilton Cardim.

Aguardando!


Essa é a área mais concorrida da FAPIJA, sorte minha não ter ninguém pra dividir a sombra.
Foto: Nilton Cardim

Reservado?


Diz ser área reservada, só não entendi se é para Ambulância ou BULÂNCIA!
Alguém poderia me ajudar?
Foto: Nilton Cardim

Tô nem aí!


Uma onça no torneio leiteiro, repare na calça da Jornalista Vera S.
Coitadinhas das vaquinhas, ficaram com medo pensando no pior.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

sábado, 18 de julho de 2009

Que linda essa!

É ele mesmo...o figura!
Não bastava apreciar as vaquinhas, ele queria checar se estava bom mesmo.
Até a tiazinha parou pra observar que tanto o fotografeiro olhava.

Doido, eu?


Esse é figura mesmo, Nilton Cardim é o nome do cidadão.
Com tanta ordenha acontecendo junto ele já estava doidinho.
Nem sabia quem fotografava primeiro, até o retireiro Robinho não estava entendendo nada, também, com essa cara de doido!

Hei, olhe aqui também!


O fotografeiro oficial da FAPIJA pede atenção pra foto, que coisa linda!
Olha que a vaquinha olhou mesmo!
Nilton Cardim, que dom tu tens meu caro.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Conselhos de um certo Robert Capa!

"Se as tuas imagens não são suficientemente boas, é porque não estás suficientemente perto."(Robert Capa)



Robert Capa, Demasiado Perto
Domingo, 23 de Maio de 2004

Um cigano, um rufia, um homem a "snifar" a vida. Um apaixonado. Devorador de mulheres. Um jogador. Compulsivo. Arriscado. É o "melhor fotógrafo de guerra do mundo". Jogou a vida num "slalom" com a morte. Um jogo que perdeu, há 50 anos, ao pisar uma mina na Indochina. Robert Capa.

Raquel Ribeiro

1. "O desejo mais fervoroso do fotógrafo de guerra é estar no desemprego."

Robert Capa disse um dia a Henri Cartier-Bresson: "Não mantenhas o rótulo do fotógrafo surrealista. Diz-te fotojornalista, senão vais cair em maneirismos. E deixa o surrealismo no teu coração." E continuou: "Se te dizes artista, não te encomendarão nenhum trabalho. Apresenta-te como fotojornalista e poderás fazer o que quiseres." Esta era a liberdade de Robert Capa. E essa era também a da Magnum, a agência de fotografia que fundou, com Henri Cartier-Bresson, George Rodger e David "Chim" Seymour, em 1947.

Quando, em 1938, a prestigiada revista britânica "Picture Post" publicou uma reportagem de 11 páginas sobre a Guerra Civil Espanhola com as fotos de um jovem de 25 anos chamado Robert Capa, não sabia que estava a criar um mito. E proclamou-o "o melhor fotógrafo de guerra do mundo".

O que importa em Capa "é o que ainda está fresco, a atitude, que hoje é uma questão premente: se não estamos por dentro do acontecimento, não podemos fazer jornalismo", diz o professor de História da Fotografia, no Ar.Co, José Soudo. Ele aparece, não como inovador, mas na continuidade de estéticas "arrojadas", "a dos alemães e também a do Leste, como o construtivismo russo". Há, contudo, um contributo: "Uma nova técnica, a dos grandes planos, a de uma aproximação muito grande ao acontecimento, um estar por dentro. Capa nunca quis valorizar a vertente tecnicista da fotografia, mas sim a atitude".

Capa tem uma espécie de "contrato social", um empenho, um "comprometimento ideológico" e é isso que o fará saltar de palco em palco de conflito, da Guerra Civil de Espanha a Israel, da invasão da Normandia à Indochina. "Esta atitude pode ser ainda uma reflexão, porque hoje o fotojornalismo vai por dois caminhos opostos: uns que acreditam que já não faz sentido fazer fotografia social e, por isso, se viram para uma estética pura, que não pretende ser documentarista; depois está a ressurgir uma vaga de fotógrafos que ainda acredita que se pode dizer ou fazer alguma coisa contra a 'ordem'. Capa está no início desse ciclo", continua Soudo.

A "atitude" de Capa está lá desde o primeiro clique. Nascido Endre Friedman, em Budapeste, em 1913 (o cinquentenário da sua morte é terça-feira), deixou a Hungria em 1931, porque se estava a tornar um sítio "não recomendável" a um jovem judeu socialista, intempestivo, que já tinha sido preso numa manifestação. Friedman (Robert Capa é um pseudónimo, só "nasceu" mais tarde) foi para Berlim estudar jornalismo. Ficou sem dinheiro. Arranjou um emprego como assistente de revelação da agência de fotografia alemã Dephot. Um dia, Simon Guttman, líder da agência, ficou sem fotógrafos, pôs uma Leica nas mãos de Friedman e mandou-o cobrir uma história. Os resultados foram satisfatórios e Guttman deu-lhe mais trabalhos. O primeiro grande "furo" foi a cobertura do congresso Trotski (já exilado da União Soviética), em Copenhaga, em 1932. Mas Berlim tornou-se uma cidade perigosa para um judeu. E Friedman foi para Paris.

2. "Não são precisos truques para fotografar em Espanha. Não tens de colocar a máquina. As imagens estão lá e tu apenas as tiras. A verdade é a melhor imagem, a melhor propaganda."

Capa/Friedman é o "homem que se inventou a si mesmo". Em Paris, conhece Gerda Taro, uma refugiada alemã, também fotógrafa. Apaixonam-se. E decidem formar uma associação com três pessoas. Gerda era secretária e gestora de vendas. Endre era o funcionário da revelação. Ambos empregados de um rico, famoso, talentoso (e imaginário) fotógrafo americano chamado Robert Capa (significa "tubarão", em húngaro). Friedman tirou as fotos, Gerda vendeu-as e o crédito foi dado a um invisível Capa. Como ele era um milionário, Gerda nunca vendeu as fotos por menos de 150 francos. O segredo foi descoberto pelo editor da "Vue", Lucien Vogel. O mal estava feito: Vogel mandou Capa e Taro para Espanha.

A Guerra Civil rebenta em 1936 - e Capa acredita que é seu dever chamar a atenção para a causa republicana. Quer cobrir as movimentações no campo de batalha, as baixas, mas também traduzir com a câmara as emoções e o sofrimento da população civil. A máquina como arma contra a opressão fascista. Todas as suas imagens foram tiradas do lado republicano - era uma espécie de comprometimento.

Colaborou com as revistas francesas "Regard" e "Ce Soir", e, depois, a americana "Life". É nelas que surge publicada pela primeira vez uma das fotos mais polémicas de sempre: "Morte de um miliciano, perto de Cerro Muriano". Um homem enverga uma faixa dos republicanos, tem as pernas flectidas, a espingarda quase se solta da mão direita, um lenço vermelho na cabeça. Diz a legenda da "Life": "A câmara de Robert Capa apanha um soldado espanhol no instante em que é morto com uma bala na cabeça, na frente de Córdova." O problema é que a "Life" publicou essa imagem ao lado de outra, com outro homem, já caído (que não é de Capa).

A polémica estalou nos anos 70, alimentou teses e jornais: uma farsa ou o momento-chave da morte? Muitos teóricos dizem que a foto é uma encenação - porque na "Vue" surge uma série de imagens com o mesmo homem, momentos antes (ou depois?) desta fotografia. Há peritos a analisar as mãos do miliciano no momento do tiro - "é uma reacção muscular instintiva", defendem uns; "nunca cairia com os joelhos assim dobrados", dizem outros. A controvérsia resolveu-se a favor de Capa. Jornalistas espanhóis descobriram quem era aquele homem: Federico Borrel García existiu e morreu em Cerro Muriano, 12 quilómetros a norte de Córdova, a 5 de Setembro de 1936.

Verdadeira ou não, a foto é um instantâneo, beneficia de um efeito de real, imediato, autêntico, e documenta a posição ideológica de Capa perante o conflito - é a primeira foto personalizada da Guerra Civil. Ela muda a representação da guerra até à altura, substituindo fotos de militares anónimos, já mortos.

Se há uma fotografia da guerra civil é esta, também há um quadro ("Guernica", de Picasso), um livro ("Por quem os Sinos Dobram", de Steinbeck), um filme ("Espoir, Sierra de Teruel", de André Malraux). Capa deu à guerra de Espanha uma dimensão mítica - e a guerra deu-lhe a notoriedade que o Capa inventado precisava de ter. "Hoje estamos a ver um Capa deificado, embora ele tivesse um grande empenho no que estava a fazer, era um jovem com a natural visão romântica da época, da esquerda e do antifascismo, como outros [Hemingway, Steinbeck, Orwell, Malraux, Joris Ivens]. E é esse romantismo que os leva a estar do lado dos republicanos. Ele faz um jornalismo de esquerda, mas rotulá-lo como tal é redutor, porque o que fica são as imagens", sublinha Soudo.

3. "A guerra é como uma actriz envelhecida - cada vez mais perigosa, cada vez menos fotogénica."

Gerda Taro morre numa retirada nos arredores de Madrid, em 1937. Capa deixa Espanha (aonde voltou no final do conflito, antes da capitulação dos republicanos). Deixa a guerra. Não por muito tempo: o Japão acaba de invadir a China e ele tem uma missão a cumprir. Capa via essa guerra como a extensão da espanhola, o eixo oriental da luta contra o fascismo.

Na China, foi director de fotografia do filme "The 400 millions", de Joris Ivens, que conhecera em Espanha. "Filmei a guerra", diz Ivens. "Mas captei também os signos rituais, os corpos corrompidos e mutilados, as fugas dos refugiados, a agonia, o medo, a miséria humana, a coragem." Como Capa.

"Ele vê a retaguarda da guerra. Os mortos do terreno já não eram novidade. A grande novidade são as imagens e os dramas da população civil", explica Soudo.

Quem é, afinal, Robert Capa? Um cigano, um rufia, diz Bresson, um homem a "snifar" a vida. Bebia com Hemingway, jogava póquer com John Huston, viajava com Steinbeck. Um apaixonado. Devorador de mulheres. Mundanas ou famosas, Gerda Taro ou Ingrid Bergman. Capa é, então, um jogador. Compulsivo. Arriscado. Perto demais? A 6 de Junho de 1944, as tropas aliadas desembarcam na Normandia, Omaha Beach. Considere-se a distância entre o fotógrafo e o soldado. Capa segue na primeira vaga. As ondas, o frio, o aço espetado na areia. Capa avança por entre os corpos, por entre as balas. Obriga-se a ir, concentrando-se na máquina. Quando pára para mudar o filme, entra em estado de choque e tem de ser evacuado com os feridos.

Nesse dia, apenas 11 das 106 imagens "sobreviveram". O técnico de revelação da "Life" ficou tão entusiasmado que sobreexpôs o filme ao calor enquanto o secava, queimando os negativos. Primeiro, a "Life" disse que as imagens tinham sido estragadas pela água do mar. Depois publicou-as, explicando que "a intensa emoção do momento levou o fotógrafo a mover a câmara, por isso, as fotos surgem ligeiramente desfocadas" ("slightly out of focus"). Capa não gostou da brincadeira. Com o tempo a frase tornou-se uma espécie de emblema (é o título da sua autobiografia).

4. "Se as tuas imagens não são suficientemente boas, é porque não estás suficientemente perto."

O fotógrafo de guerra não gostava da guerra. Há qualquer coisa de roleta russa na vida de Robert Capa: em Espanha, o famoso miliciano foi baleado a poucos metros do fotógrafo; no Dia D, as balas roçavam-lhe a cabeça; em Israel foi baleado. Jogou a vida inteira nessa roleta, uma valsa, um "slalom" com a morte. Um jogo que perdeu.

Ele será sempre o herói-mártir, morto soldado entre os soldados. Em 1954, Capa é presidente da Magnum e vai ao Japão visitar jovens amigos aspirantes a cineastas. Entretanto, os comunistas e nacionalistas começam uma guerra contra os colonizadores franceses na Indochina. Capa aceita substituir o fotógrafo da "Life" durante um mês.

Em Novembro de 1932, Trotski, exilado, discursa em Copenhaga; a 25 de Maio de 1954, uma patrulha francesa avança sobre um campo na Indochina. O homem-da-câmara tira uma última foto, um último clique de cinco soldados que caminham à sua frente. Entre essas duas fotos há um húngaro chamado Friedman que se inventou a si mesmo. Há 70 mil negativos, alguns nunca vistos, outros queimados, outros perdidos. Outros vivos. O céu está limpo. Não há nuvens. Há um clique seguinte - mas não da máquina. Robert Capa pisou uma mina. A mão esquerda segurava a câmara. Estava perto demais.

Fotógrafo é igual em qualquer lugar do mundo!

Paradinha pra gelada!

Pegamos nosso amigo fotografeiro tomando umas, duas, três...
Depois de algumas geladas, careta e cerveja, tudo combinando!

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Objetivo do fotógrafo!!!

Olá! Fotografeiro.
Assita o vídeo abaixo produzido pela National Geographic e desfrute das informações que ele contêm. Comente o conteúdo e responda. Até que ponto, você, fotografeiro, se utiliza do previlégio em poder escolher no lugar dos outros, para fazer com que o seu observador compartilhe do seu ponto de vista?
video
Vídeo extraído do Curso De Fotografia National Geographic (Pt-Br)

Compondo a foto!



Valtinho, fotografeiro da prefeitura de Jacareí, com seu óculos de sol na cabeça para não queimar a testa, rsrs... em busca de um bom ângulo do prefeito Hamilton. Mas, será que por trás foi a melhor opção. rsrsrsr....

Foto: Nilton Cardin / Ag. Fotografeiros
data:10 /07 /2009

Vanessa Camargo


Preparar, apontar e fogo... rsrsrrs... Ninguém queria perder o alvo, Vanessa Camargo, durante o show. Foi um bombardeio de luzes para registrar a imagem na memória, das cyber shots e celures. rsrsrs....

Foto: Nilton Cardin / Ag. Fotografeiros
data:12 /07 /2009

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Espécime em estudos!


Esta espécime anda atacando os fotografeiros que anda distraídos em seus trabalhos. Cuidado!!!!!
Língua: Ele fala Oxente
Alimentação básica: Sarapatel de porco, buchada de bode, rapadura e farinha com muita pimenta e umas pinga
Meio de transporte: Jegue
Discípulo de Lampião, dizem que ele nasceu no nordeste, mas não temos certeza. A Faculdade Tabajara esta pesquisando sua origem, mas fiquem atentos novos ataques podem ocorrer a qualquer momento em qualquer lugar, ele costuma chamar antes de atacar pelo nome da vítima. Cuidado porque ele pode te pegar, quem será esta figura rsrsrs...

Foto: Marcelo Resende

Explica mas não complica!


Fotografeiro Daniel Feliciano em palestra para os fotografeiros do Câmera e Luz explicando e complicando entre a câmera e a luz rsrsr....

Foto: Manuel Pereira/Ag. Fotografeiros
Data: 08 julho 2009

O quê será?


Fotografeiro Daniel Feliciano condicionando o olhar dos fotografeiros do Câmera e Luz, utilizando da mímica para o salário no final do mês dos fotografeiros, me engana que eu gosto rsrsrs.....
Foto: Manuel Pereira/Ag. Fotografeiros
Data: 08 julho 2009

O ataque inesperado!


O fotografeiro, Daniel Feliciano em tentativa desesperada, tentou atacar o Nikonzeiro rsrsr...Oxente companheiro. Esta Nikon é minha!!! Se a Canon lhe trouxe arrependimento, você ainda tem escolha, a próxima pode ser uma NK Rsrsrs...Como uma imagem vale mais do que mil palavras, fotografeiros tentem explicar a atitude do nosso amigo fotografeiro Daniel Feliciano rsrsrsrs....

Foto: Manuel Pereira/Ag. Fotografeiros
Data: 08 julho 2009

quarta-feira, 8 de julho de 2009

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Evolução do fotografo!




hehe encontrei isso em um blog e achei muito legal.

É preciso estar preparado para tornar-se um réptil!

kkkk

abraços

Lucas Pupio

A13 Always

O A13 persegue o Lucas , não tem jeito!!!
Thiago Leon - 01-07-2009
São José dos Campos - SP

Sala de leitura!


Enquanto a Ex-BBB Francine, continuava à autografar sua revista, o fotografeiro, Jonas Tucci, aproveita o ambiente pra ler um pouco sobre fotografia. rsrsrsr...

Shopping Vale Sul - São José dos Campos-SP
Foto: Daniel Feliciano / Ag. Fotografeiros.
Data: 23/06/2009

Intrusos!!!


Tem gente que mete o nariz onde não é chamado. rsrsr..... e a mão também. Olha aí os intrusos, durante a visita da Ex-BBB Francine.

Shopping Vale Sul - São José dos Campos-SP
Foto: Daniel Feliciano / Ag. Fotografeiros.
Data: 23/06/2009

Quer uma mãozinha?


É preciso Cyber usar, ou qualquer um pode dar uma mãozinha?

SESC-SP - São José dos Campos-SP
Foto: Daniel Feliciano / Ag. Fotografeiros.
Data: 23/05/2009

CASAL 20!


Ela e Ele, rsrsr... Bruna e Lucas Púpio em um duplo auto-retrato. rsrrsrs

SESC-SP - São José dos Campos-SP
Foto: Daniel Feliciano / Ag. Fotografeiros.
Data: 23/05/2009

Em ação!


Trio de cinegrafeiros em ação, durante gravação do programa "Papo Vanguarda", com o cantor Gilberto Gil.

SESC-SP - São José dos Campos-SP
Foto: Daniel Feliciano / Ag. Fotografeiros.
Data: 23/05/2009

Começa logo!


Enquanto era decidido os últimos detalhes para gravar o programa "Papo Vanguarda" com o cantor Gilberto Gil, Cinegrafeiro aproveita para descançar -a câmera- é claro. rsrsr....

SESC-SP - São José dos Campos-SP
Foto: Daniel Feliciano / Ag. Fotografeiros.
Data: 23/05/2009

Vamos Trabalhar Gente!


Trabalhar que é bom nada. Felipe, Luana Loureiro e Kadu Portinatti, só queriam sair na foto. rsrsr

São José dos Campos-SP
Foto: Daniel Feliciano / Ag. Fotografeiros.
Data: 06/06/2009

Maneiro!


Nem mesmo enquanto filma, Kadu Potinatti, deixa de fazer uma gracinha para camera.

São José dos Campos-SP
Foto: Daniel Feliciano / Ag. Fotografeiros.
Data: 06/06/2009

Eita concorrência!


mais uma loucura do Lacaz. kkkkk... Disputar a melhor foto com uma cyber shot. rsrsr

Foto: Niton Cardin
Agência Fotografeiros.